segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Mapas mentais - CmapTools e Freemind - dois softwares, duas concepções

Hoje o tema é mapas mentais. Mas o que são mapas mentais? Mapas mentais são, de forma muito, mas muito sintetizada, versões digitais dos velhos esquemas que a gente fazia para estudar uma matéria, que ficavam em folhas no meio dos livros ou mesmo nas bordas das páginas, ou em blocos de anotações. Brincando (mas nem tanto), costumo voltae meia consultar esses blocos, os quais chamo carinhosamente de "meu cérebro"!!! . De qualquer forma, são inegavelmente ferramentas úteis para brainstorms ("toró de parpites") e para também delinear processos e projetos. Clique aqui para ver a definição de mapa mental na wikipedia em português.

Mapas mentais podem ser feitos em meio digital no MS Office Word, no Powerpoint ou no BrOffice Writer e Impress ou, se você estiver afim de uma experiência de "raiz", em Paint. Contudo esses programas não são muito específicos para a realização de mapas mentais, dependendo da versão do programa, é melhor fazer o esquema em papel mesmo...


Figura. 1 Exemplo de mapa mental em papel
fonte: http://rcd.typepad.com/rcd/Au2004MindMapsSpecularTopic.png


Experimentei sistematicamente dois programas voltados à construção de mapas mentais. O CmapTools e o Freemind:

Para baixar o freemind:
http://freemind.sourceforge.net/wiki/index.php/Main_Page

Para baixar o cmaptools
http://cmap.ihmc.us/

Esses programas precisam do programa JAVA funcionando. Você pode baixá-lo ou atualizar esse programa na sua máquina no seguinte endereço:
www.java.com

O interessante notar é que, embora os softwares sejam para fazer uma mesma coisa, mapas mentais, a concepção e o grafismo desses mapas é pensada pelos desenvolvedores de software de maneira bem diferente.

O freemind constrói mapas a partir de um tema central, com estruturas hierárquicas. Eu o uso para apresentar uma linha de trabalho e a partir dali usar links que chamem outros documentos e planilhas. Eu uso para apresentações mais esturutradas de mapas conceituais já delineados.



Figura 2: Imagem de mapa mental construído com o software Freemind.
Fonte: http://www.bestfreeapps.com/wp-content/uploads/2006/11/WindowsLiveWriter/FreeMind_126C7/freemind2%5B2%5D.jpg

Já o CmapTools trabalha em uma perspectiva mas da criação de mapas que não contenham um relação necessariamente hierárquica. Eu posso puxar várias setas de um mesmo objeto e manter o mapa sem um centro definido. Também posso linkar outro documentos a partir dele. Eu o uso mais para o trabalho de grafismo conceitual e brainstorms, por exemplo. Se instalado em servidor, o cmaptools permite a formação de mapas coletivos, utilizando vários computadores.

Uma aplicação deste software numa perpectiva para o desenovlvimento de mapas mentais
na prática pedagógica foi descrita por Ítalo Dutra e pode ser vista em:

http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2005/nfa/tetxt5.htm


Figura 3: mapa mental realizado com o CmapTools.
Fonte: http://fronteiras.pbwiki.com/f/Cmap%20Tools.JPG

Tanto o Freemind quanto o Cmpatools permitem a exportação do mapa mental em diferentes formatos, dentre eles em formato de imagem. Para exemplificar a diferença de concepção dos mapas mentais gerados por cada um desses softwares, encaminho um tema, como a descrição de um baralho, em um e em outro programa.

Existem na rede outros softwares capazes de gerar mapas mentais online, dentre eles:
http://www.bubbl.us/
http://www.mindomo.com/

Minha dica para os professores é baixar cada um destes softwares ou testá-los online, conforme o caso, ir brincando com eles e ver com o qual mais se adapta, observando o que cada um deles deixa ou não fazer e vendo como eles podem nos ajudar em alguma situação pedagógica específica, como na montagem ou apresentação de esquemas mentais, por exemplo.

1 Comment:

Janete said...

Oi Evandro!

Gostei muito deste blog, especialmente deste texto (e seus links) objetivo e convidativo para se experimentar o trabalho com mapas conceituais. Está muito claro e funciona bem! Ah,também gostei do artigo do Ítalo,com sugestões e práticas boas e possíveis!

Pois, já vou sugerir este teu blog aos professores que estão fazendo um curso on-line conosco, no NEO,FACCAT.

E, ainda hoje, vou dar início a um trabalho com crianças de 8 a 11 anos, em aula de inglês e as TIs, tecnologicamente incluídas, com mapas conceituais e a questão do Natal no Brasil e no mundo.

Valeu, Evandro!!!
Janete
P.S.: Ah, depois conto aqui no que deu!!! :-)